Se você, assim como eu,  é mãe de uma garota com quem sempre manteve uma relação serena e harmoniosa e agora tem em casa uma criatura constestadora e instável, mantenha a calma e a paciência!

Aqui em casa a adolescência esta chegando …. embora minha menina seja bem tranquila, já existem momentos em que ela demostra claramente que a adolescência chegou!

É muito comum que a filha, na infância tão ligada a mãe, passe a hostilizá-la e menosprezá-la na adolescência , muitos estudos buscam maior entendimento sobre essa relação.

É na adolescência que mãe e filha passam por um período de transição crítico, onde rivalidade, mudança de papel, crise de identidade, realização pessoal, sexualidade e desejo de independência se chocam.

A pesquisadora americana Deborah Tannen autora do livro ‘Você Vai Sair Assim? – Como Entender a Relação entre Mães e Filha, afirma: “Mães e filhas são extremamente próximas. Elas se observam e se analisam num nível intenso. Por isso, acabam enxergando falhas e defeitos que ninguém mais detecta. E se dão o direito de mencioná-los“. Segundo a pesquisadora, esse seria o motivo para os conflitos que surgem dessa relação.

 

Suely Buriasco do site Familia.com, deu algumas  dicas podem ajudar a melhorar o relacionamento mãe e filha:

 

1- Melhore a comunicação

Não é porque vocês são tão próximas que vão falar ou demonstrar tudo o que pensam uma para outra. Bom lembrar que a comunicação não é feita só de palavras, então, muito cuidado com a fisionomia e os gestos também. A cordialidade deve estar presente em qualquer relacionamento, sendo fundamental para que haja harmonia. Também é interessante que as mães não enxerguem em tudo motivo de críticas e que a filha interprete com mais leveza as recomendações maternas.

 

2- Dê ênfase às qualidades

Claro que vocês se conhecem muito bem e sabem os defeitos uma da outra, mas isso não precisa ser evidenciado, afinal, vocês conhecem igualmente as qualidades, portanto, privilegie-as. As mães poderiam dar menos conselhos e opinião, enquanto as filhas poderiam tratar as mães com menos insensibilidade. Quando precisarem fazer alguma crítica, façam com afetividade e não se esqueçam de que o elogio sincero é uma ferramenta poderosa.

 

3- Não há continuidade

Uma questão que complica muito essa relação é o desejo, muitas vezes inconsciente, que mãe e filha têm de representarem a continuidade. Por isso elas estão sempre a analisar no que são iguais ou diferentes. É importante trazer essa questão para a consciência deixando de fazer comparações uma com a outra. Mãe, sua filha é um ser distinto com sua própria personalidade e modo de ser; filha, você não é extensão da sua mãe, não se sinta culpada por isso e, muito menos, não se revolte querendo ser exatamente o contrário dela.

 

4- Transforme a relação

Na revista Psique do ‘Portal Ciência e Vida’ no artigo ‘A difícil relação Mãe-Filha’ encontra-se a seguinte afirmação: “Não é possível oferecer a uma filha o que não se tem, o que não se herdou da própria mãe ou não se adquiriu ao longo da vida“. É interessante que a filha compreenda a herança materna advinda da avó e que a mãe busque transformar essa relação com a filha. Essa transformação é um importante desafio e deve ser encarada com naturalidade, evitando sentimentos de perdas e culpas.

 

5- Institua a colaboração

Um dos elementos mais complicadores da relação mãe e filha é a competição. Às vezes esse processo é tão intenso que mães e filhas podem competir para ver quem é a mais atraente, a mais bem-sucedida, a mais bem vestida. Abandonem qualquer disputa e se tornem realmente aliadas. A colaboração entre mãe e filha é benéfica e salutar para essa e as próximas gerações.

Assim como a filha tem que se separar de sua mãe para crescer, a mãe deve modificar seu papel  de protetora, dando mais espaço para que a garota viva a própria vida, mas claro tomando os devidos cuidados para que ela não corra riscos além da conta.

Desse confronto, mãe e filha saem mais maduras, como pessoas que se amam, se respeitam e reconhecem a necessidade de ambas terem o seu próprio espaço.

A vida é muito mais fácil quando transformamos conflitos em crescimento, aprendendo a compreender e respeitar as pessoas com as quais nos relacionamos.

 Meninas, etc e tal.